Redução da jornada de enfermeiro com filho autista

Enfermeiro solicita redução de jornada de trabalho, pela metade, para cuidar de filho autista. Justiça aprovou o pedido.

No pedido, protocolado em setembro de 2019, pela 5ª Vara do Trabalho de Teresina, o trabalhador relatou que fazia uma escala noturna de 12h por 36h. Por esse motivo, pediu a redução, em 50% da carga horária, sem que fosse necessária a compensação das horas de trabalho e diminuição do salário, em razão da condição especial de seu filho, de 5 anos de idade.

Contestação da Redução da Jornada de Enfermeiro

Em negação, a Ebserh afirmou que o enfermeiro não confirmou que seu trabalho na empresa o impossibilitava de oferecer ao filho o acompanhamento necessário para seu desenvolvimento saudável. A empresa justificou que não existe legislação para sustentar o pedido do enfermeiro. Por último, se defendeu dizendo que, por ser uma empresa pública federal, não se aplica a ela o regulamento presente no Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Civis da União (RJU – Lei 8.112/1990).

Apoio Paterno

O trabalhador recorreu ao Tribunal e argumentou que o motivo do seu pedido não é apenas para o acompanhamento da criança em rotinas médicas, mas sim, pelo suporte e presença paterna, “principalmente orientando-o e conduzindo-o nas atividades e vivências diárias, uma vez que o acompanhamento familiar é fundamental para o desenvolvimento de um autista”.

Decisão unânime

A ministra Delaíde Miranda Arantes, julgou que as provas de atenção especial à criança eram suficientes para a aprovação da redução de carga horária. De acordo com a ministra, o caso engloba, também, a tutela de bens jurídicos na ordem constitucional de 1988, “notadamente, o direito da pessoa com deficiência”.

Na justificativa de seu voto, a ministra relembrou que a jurisprudência do TST tem aprovado a redução de jornada de trabalhador público com dependente que sejam portadores de deficiências, sem diminuição de salário ou compensação de horários. Apesar disso, analisou que a decisão depende de cada caso específico, “não se tratando de uma decisão generalizável”. A decisão foi unânime.

Além dos direitos de redução de carga horária, por motivos de acompanhamento familiar, enfermeiros também tem uma aposentadoria especial, que tem mais vantagens em comparação com a aposentadoria comum.

Caso você trabalhe como enfermeiro(a) ou conheça alguém que tenha a mesma profissão, compartilhe essa notícia!

COMPARTILHAR:

POSTS RELACIONADOS

atividade especial até 1996

Você exerceu atividade especial até 1996?

Você exerceu atividade especial até 1996? Sabia que além das atividades consideradas especiais até 28/04/1995, algumas profissões continuaram a ser classificadas como especiais até 13/10/1996?

nova reforma da previdência

Nova reforma da previdência

Você sabia que pode estar para sair um novo tipo de “Reforma da Previdência” que vai reduzir a idade mínima para a aposentadoria especial? Não?

Comente

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *